"Jurassic World 2": Trevorrow e Bayona falam mais sobre o filme, confirmam animatrônicos e mais!


O quarto filme da franquia Jurassic Park esteve em desenvolvimento durante muitos e muitos anos em Hollywood antes de finalmente sair do papel. Normalmente, quando uma sequência demora tanto para se 'materializar', ela tende a ter decepcionar as expectativas (vejam Independence Day), mas Jurassic World fugiu disso e foi um gigantesco sucesso de bilheteria, arrecadando 1,6 bilhão de dólares em todo o mundo. Como esperado, a Universal rapidamente começou a produzir a sequência, porém a cadeira de diretor ficou vazia depois que Colin Trevorrow foi contratado para fazer Star Wars IX. A procura durou alguns meses, e depois que Juan Antonio Bayona (O Orfanato, O Impossível) deixou o comando da sequência de Guerra Mundial Z, a produção de Jurassic World 2 agiu rápido e o chamou para dirigir o filme. Convite aceito.

As filmagens devem começar daqui a alguns meses, no início de 2017, e embora não seja mais diretor, Trevorrow ainda está muito envolvido na sequência, com os cargos de roteirista (ao lado de Derek Connolly) e produtor-executivo. 

Nesta sexta, em entrevista ao site Jurassic Outpost, o diretor do quarto filme, Colin Trevorrow, falou bastante sobre a sequência. E no finalzinho da entrevista, ele surpreende apresentando Juan Antonio Bayona, com o próprio espanhol falando! Vejam a entrevista completa, traduzida pelo Mundo Jurássico BR:
Colin Trevorrow é considerado um dos diretores mais promissores da atualidade, sendo da confiança de Steven Spelberg. (Foto: divulgação)

Começando a entrevista, Colin falou um pouco sobre o seu próximo filme, que será The Book of Henry, e que estreia em 2017. O diretor revelou que esse é um outro tipo de filme, é um filme independente muito emocionante, e que ele acha muito importante que ele conte "suas próprias histórias", algo que ele tem liberdade para fazer nesse tipo de produção. 
Jurassic Park (esquerda) e Jurassic World (direita).

Falando sobre Jurassic World, durante as filmagens, uma imagem de uma placa da Doca Leste de Jurassic Park foi divulgada. Porém, ela não apareceu em nenhum momento do filme. Trevorrow disse que ela foi trocada pela placa "Research" (“pesquisa”), devido a essa última fazer alusão a mais informações sobre o parque antigo, expandindo o universo. 

Sobre a morte de Zara e os saltos de Claire, Colin disse acreditar que as pessoas podem ver as suas intenções para essas cenas, do mesmo modo que ele compreende as suas interpretações. "Claire não deixaria que sapatos inconfortáveis a impedissem de ser durona e fazer sua parte."

“[A morte de] Zara era para surpreender os espectadores com uma morte não merecida (algo com que estamos lidando bastante no mundo atualmente). É uma característica da Amblin... fazer-nos ver algo que nós provavelmente não deveríamos assistir quando crianças.” 
A morte de Zara foi uma das mais assustadoras da franquia. (Foto: Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)

Agora indo para o que interessa: Jurassic World 2! Veja o que Colin Trevorrow falou: “Será mais assustador e terá mais suspense. É pelo jeito como está sendo planejado; é pelo modo como a história acontece. Eu já sabia que iria querer Bayona para dirigir antes que qualquer um soubesse que isso era uma possibilidade, então a coisa toda foi feita em torno das habilidades dele. O filme se tornou muito cobiçado, com muita concorrência e competição; eu senti que era uma oportunidade de criar uma situação onde dois diretores pudessem realmente colaborar. É raro nos dias atuais, mas é algo que os diretores que eu admiro costumavam fazer o tempo todo — um escreve e produz e o outro dirige, e o resultado final é algo que é único para os dois. Eu estou no escritório agora, estive aqui todos os dias desde julho trabalhando de perto com J.A., ouvindo seus instintos, e afiando o roteiro com Derek para garantir que seja algo em que todos nós acreditamos.”

Quando perguntado sobre a mudança do processo de escrita quando se está escrevendo uma sequência para seu próprio filme, Trevorrow citou: "Da última vez, quando entramos [em Jurassic World], o filme já estava em desenvolvimento há 12 anos e o roteiro ainda era baseado em histórias e ideias que Steven [Spielberg] teve, que foram os pilares para o que fizemos. Desta vez é diferente, porque estamos no projeto juntos desde o começo." Ele também citou que no quarto filme, eles tinham a preocupação de introduzir Jurassic Park a uma nova geração de fãs. Agora, com isso já feito, eles podem ter novas ideias. 

Falando sobre a relação com os livros, Trevorrow disse que Jurassic World teve que ser um recomeço. "O filme teve que provar que tinha uma razão para existir." Já sobre o quinto filme, Trevorrow revelou que ele é "baseado em conceitos e histórias que Crichton criou com os livros" e disse que "os livros por si só são muito ricos [em conteúdo]". Um dos temas tratados será o de que "um erro feito muito tempo atrás não pode ser desfeito. (...) Você não pode simplesmente colocá-lo dentro de uma caixa novamente."

Agora, uma fala super-importante de Trevorrow: o produtor-executivo e roteirista revelou que Jurassic World 2 terá um diálogo do primeiro livro! "Faz eu me sentir como um ótimo escritor. (...) Olha pra mim, essa é uma frase sensacional! (risos) Crichton tinha a habilidade de fazer coisas completamente doidas parecerem reais e empolgantes. Esse é o objetivo desses filmes, fazer-nos sentir que essas grandes ideias são parte do nosso mundo." Ele também citou a cena de Owen com os Raptors em Jurassic World, que foi baseada em uma cena do livro (a de Sarah em O Mundo Perdido), mas em outro contexto. "Esse filme não precisa ser 'maior'. Não precisa ter 'maiores e melhores dinossauros' ou 'maiores sequências de ação'. Compare a cena dos Raptors na cozinha com a explosão do helicóptero com a Indominus, e como a fórmula é tão efetiva quanto — se não mais.
Outra declaração que chama a atenção é em relação aos efeitos especiais de Jurassic World 2. Trevorrow disse que Bayona tem uma experiência considerável em efeitos especiais nos filmes O Impossível e, mais recentemente, no inédito Sete Minutos Depois da Meia-Noite, que estreia em dezembro deste ano nos Estados Unidos. Neste último, Bayona inclusive trabalhou com efeitos práticos, como mostra a imagem à seguir:
J.A. Bayona ao lado de animatrônico. (Foto: Sete Minutos Depois da Meia-Noite)

E falando em efeitos práticos, o que vem à mente de um fã de Jurassic Park são os famosos animatrônicos utilizados nos filmes da franquia. Nos três primeiros filmes eles foram maciçamente utilizados, enquanto no quarto filme apenas uma cena (o Apatossauro morrendo) utilizou os robôs feitos pela Legacy Effects (antiga Stan Winston Studios). A pergunta que ficou foi: teria sido este o último animatrônico da franquia (já que a tendência dos filmes atuais é uma enxurrada de efeitos digitais)? A resposta é não!

"Terão animatrônicos, com certeza. Nós vamos seguir a mesma regra geral de todos os filmes da franquia, que são os animatrônicos sendo melhor utilizados quando estão parados ou movimentando apenas os quadris ou o pescoço. Eles não podem correr ou realizar movimentos complexos, sendo que qualquer coisa desse tipo é levada para a animação. São as mesmas regras aplicadas em Jurassic Park", disse Trevorrow.

No entanto, como já dito, Jurassic World utilizou pouco desse recurso. Trevorrow também explicou por quê: "Eu acho que a falta de animatrônicos em Jurassic World teve mais a ver com o aspecto físico da Indominus, o modo como o animal se movimentava. Ela era muito rápida e fluida, correu muito, e precisava mover seus braços, cauda e pescoço todos ao mesmo tempo. Não era uma criatura desajeitada. Nós já escrevemos algumas oportunidades para a aparição de animatrônicos [em JW2] — porque tem que começar na escrita do roteiro — e eu posso, definitivamente te dizer que Bayona tem as mesmas prioridades, ele acha que temos que usar efeitos práticos sempre que possível." 

Leia também: "Jurassic World 2" terá GRANDE orçamento!

O diretor também acrescentou que o requisitos orçamentários de Jurassic World também foram culpados pela quantidade reduzida de animatrônicos, algo que não deve acontecer no próximo filme, devido ao sucesso do anterior. E mesmo trabalhando com CG (efeitos digitais), Colin citou a importância de se trabalhar com objetos reais em conjunto: "Nós fizemos um modelo de helicóptero real para a cena do acidente. (...) Em alguns momentos eu dava instruções para animarem a Indominus como se ela fosse um animatrônico." Ele também revelou que a ILM está planejando usar captura de movimentos em animais reais para Jurassic World 2 — indo além do que é feito normalmente.
T-Rex animatrônico nos bastidores do filme. (Foto: Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros)

Já falando sobre a possível — e polêmica — "militarização" dos dinossauros em Jurassic World 2, Colin Trevorrow disse que a abordagem sobre o assunto antes que ele e Connolly reescrevessem o roteiro, era totalmente diferente, e falou algo que deve tranquilizar os fãs que odiaram a ideia:

"Eu não estou muito interessado em dinossauros militarizados, pelo menos não na prática. Eu gostei disso na teoria, como um sonho de um lunático. Quando essa ideia me foi apresentada da primeira vez como parte de um roteiro antigo, ela era algo que o personagem (que viria a ser Owen) vinha fazendo desde o início. A primeira reação minha e do Derek foi: ‘Não, se alguém está tentando militarizar Raptors, isso é algo que um cara do mal faria, ele é louco'."

Sobre as filmagens de Jurassic World 2, Colin confirmou que o Havaí é a locação principal, mas não a única. "Sim, parte da história se passa no território fictício que o Havaí representa." Entretanto, Trevorrow não confirmou qual "território" é este, já que pode ser tanto a Ilha Nublar (de Jurassic Park Jurassic World) quanto, quem sabe, a Sorna (de O Mundo Perdido e Jurassic Park 3).

Foi divulgado recentemente que a cidade de Londres e o País de Gales seriam também sedes de filmagens do filme. Trevorrow confirmou essas filmagens no Reino Unido, mas disse que os países apenas servem como locações, sendo que a história não se passa lá.
O País de Gales é um dos países do Reino Unido que servirão de locação para o novo filme.

Perguntado sobre teorias de fãs sobre um futuro "Jurassic World War" (“Guerra do Mundo Jurássico”, em tradução livre), Trevorrow descartou a ideia: "Parece um desenho animado para mim. Eu assistiria a esse desenho com o meu filho, mas eu não o produziria. Não é a sequência, mas não deixe que isso os impeça de criar fã-artes divertidas."

"Jurassic World 2 é sobre a nossa relação com os animais, e como nós dividimos o planeta com outros seres vivos. Na sequência, há uma menção à militarização, mas também há menções à open source (fonte aberta) e humanos vivendo junto com os dinossauros – ele prefere a última como a história da continuação.

Leia também: Spielberg e produtores comentam a franquia "Jurassic Park"!

Sobre o quanto ele já tinha planejado para a trilogia enquanto fazia Jurassic World, disse: “Eu sabia o final. Eu já sabia para onde eu queria ir.” 

"As crianças que assistiram Jurassic World estarão três anos mais velhas quando Jurassic World 2 for lançado. Um salto dos 9 anos de idade para os 12 é enorme." É necessário fazer que a história cresça junto com eles, e é por isso que ele está trazendo um diretor espanhol de filmes de horror. 

A estrutura de Jurassic World era sobre ter algo maior e maior enquanto a história progredia. Jurassic World 2 é muito inspirado na estrutura de Jurassic Park (que tinha a sua maior cena no meio do filme e depois afunilava em uma série de cenas claustrofóbicas e íntimas conforme chegava ao fim). 
Vic Hoskins planejava usar Raptors para fins militares. (Foto: Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)

Sobre os dinossauros, Colin Trevorrow respondeu uma pergunta a respeito de possíveis mudanças no aspecto dos dinossauros nos próximos filmes, dizendo: "Nós não sabemos como eles eram. O que apresentamos é a 'versão Jurassic Park' daquele dinossauro, e devemos garantir que ele se pareça com um dinossauro de Jurassic Park. Se você for muito longe, começa a não parecer Jurassic Park." Colin se considera orgulhosamente 'culpado' de se preocupar mais com os dinossauros do que com as pessoas: "Eles são personagens."

Segundo Trevorrow, Jurassic World 2 terá novos dinossauros que eram reais e existiram. Eles estão analisando paleoartes e definindo a 'versão Jurassic Park' deles: "Existe um design específico dos dinossauros de Stan Winston, e é importante que mantenhamos nesse padrão." Sobre os dinossauros com penas, Jurassic World parece ter dado uma resposta à questão com o discurso de Wu, e Trevorrow alertou: "Se isso vai ou não mudar ou evoluir nos filmes? Não posso te dizer. Vamos ver."

No fim da entrevista, J.A. Bayona apareceu e falou sobre a sequência: “Eu fiquei muito surpreso com o que Colin está fazendo com a história. Gostei muito da combinação, ela me faz ficar muito ansioso, me trás um bom sentimento de fazer parte do legado desses filmes. Eu gosto de ter coisas que você não espera, mas que se mantém respeitosas ao legado. Há coisas que você realmente não espera e isso é muito animador. Eu fiquei muito surpreso quando Colin me escolheu.”

Por último, Colin foi questionado sobre quando o título oficial do quinto filme da franquia seria divulgado. Ele respondeu: "Eu não sei, não temos uma data ainda. Nós sabemos qual é, isso é tudo que eu posso te dizer (risos)." Portanto, por ora, continuaremos a chamar a sequência de Jurassic World 2. Trevorrow convidou os fãs jurássicos para assistir Sete Minutos Depois da Meia-Noite para entender o porquê ele é o cara certo para dirigir Jurassic World 2.

Colin Trevorrow atualmente está trabalhando, além da sequência de Jurassic World (como roteirista e produtor), em The Book of Henry (como diretor) e no Episódio IX da franquia Star Wars (também como diretor). Bayona está lançando em 27 de outubro seu Sete Minutos Depois da Meia-Noite, fantasia que vem sendo aclamada pela crítica internacional.

Já a pré-produção de Jurassic World 2 continua a todo vapor em Londres. As filmagens devem começar em fevereiro de 2017, daqui a alguns meses. O filme será dirigido por Juan Antonio Bayona, com roteiro de Colin Trevorrow & Derek Connolly, produção de Frank Marshall, Patrick Crowley e Belén Atienza (O Labirinto do Fauno). Steven Spielberg, Colin Trevorrow e Thomas Tull (Godzilla) assinam como produtores executivos. Andy Nicholson (Gravidade, Alice no País das Maravilhas) será o responsável pelo design de produção. O filme estreia nos cinemas mundiais em junho de 2018.

Veja a entrevista completa a seguir:


Entrevista: Jurassic Outpost
Tradução: Mundo Jurássico BR
Compartilhar no Google Plus

Sobre os autores


Victor Nunes é o fundador da rede Mundo Jurássico BR. Com 18 anos de idade, reside em Guarulhos/SP, cursa Engenharia de Produção pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e é fã de Jurassic Park desde seus 8 anos, além de curtir outras produções de cinema e televisão da cultura pop. | Facebook | Twitter

Bruno Fernando é editor do Mundo Jurássico BR desde junho de 2015. Apaixonado pelo clássico de Spielberg desde criança, conheceu o romance original de Michael Crichton na adolescência e hoje, com 18 anos, se considera um fã de cultura pop e futuro jornalista.
    Comentários do Blogger
    Comentários do Facebook

0 comentários :

Postar um comentário