Entrevista com Phil Tippett (2ª Parte) - Phil fala sobre 'Jurassic World'!

Na última quarta, Jack De La Mare, o administrador do fansite JurassicWorld.orgteve a honra de entrevistar o premiado supervisor de efeitos especiais Phil Tippett, conhecido por seus trabalhos em Jurassic ParkStar WarsIndiana JonesRobocop e, agora, Jurassic World. Já postamos a primeira parte da entrevista, e nesta segunda parte, Phil falou sobre Jurassic World, o quarto filme da franquia que será lançado em 2015. No entanto, Phil, obviamente, não pôde dar detalhes sobre o enredo do filme. Veja a segunda parte da entrevista, traduzida pelo Mundo Jurássico BR, a seguir:

Jack: É claro que Jurassic Park 4 esteve em desenvolvimento nos últimos 10 anos, tendo muitos rumores de lançamentos e roteiros - você já estava envolvido antes de Colin Trevorrow embarcar no projeto? 

Phil: Oh não, eu tenho me envolvido apenas recentemente e, inclusive meu envolvimento ainda é apenas. Estamos em parceria com ILM novamente sobre isso e eu fui até os escritórios e conversou com Colin um par de vezes, mas o trabalho de verdade e meu envolvimento ainda é apenas superficial [Phil não começou a trabalhar no filme ainda]. 

Jack: Ah, certo, ok. E quando você acha que você vai começar, já nas próximas duas semanas? 

Phil: Eu não sei, ainda estamos tentando descobrir isso, mas está chegando muito em breve, vamos iniciar reuniões de produção e eles estão ainda arrumando as locações esta semana, então quando eles voltarem, vamos descobrir para onde ir em seguida. 

Jack: As coisas estão mais fáceis em 2014 em comparação com 1993, em sua linha de trabalho? Eu sei que você disse que não começou ainda, mas deve ser completamente diferente? 

Phil: Bem, em termos de tecnologia, na época, ela nunca tinha sido usada para fazer esse tipo de trabalho, então foi como uma coisa totalmente nova. Apenas fizemos e quebramos um monte de coisas. Era muito complicada e, é claro que o processo da concepção, da construção e da invenção dos dinossauros foi extremamente complicado. Tivemos os bonecos em stop-motion que foram codificados, o que permitiu que pudéssemos mover as coisas à mão no stop-motion e depois transferir para o computador. Tudo isso foi extremamente complicado e eu suponho que através desses 20 anos, a tecnologia tornou-se mais amigável, e as habilidades dos fabricantes dos modelos, dos animadores, dos artistas e de todas essas coisas, aumentaram drasticamente e por isso há uma grande quantidade de um pessoal muito mais qualificado e talentoso que têm feito isso tipo de trabalho de lá pra cá. 

Jack: Nós tivemos uma série de perguntas de fãs enviadas através do Twitter e do Facebook, sendo uma delas: "Quanto tempo leva para desenvolver um dinossauro, do conceito à renderização final?"

Phil: Ohhh cara. Eu não sei, acho que há todo um processo. Cada um tem suas peculiaridades. Eles são resultados de designs que são baseados em 200 milhões de anos de evolução genética, portanto, um aspecto enorme do projeto dos dinossauros já é feito para você a partir dos ossos. Então, nós consultamos os paleontólogos e usamos alguns dos mesmos truques e técnicas que eles usam para determinar o peso das criaturas e tentar encontrar os animais vivos o mais próximo possível dos reais, com movimentos e comportamentos semelhantes. Em Jurassic [Park], Steven realmente queria que a comunidade científica achasse o que fizemos, algo crível, mas, ao mesmo tempo, ele queria que fizéssemos um filme dramático. Por isso, é sempre complicado encontrar um meio termo entre o dinossauro se comportar realmente como um dinossauro, e ao mesmo tempo cumprir suas funções dramáticas para a história.

Jack: Eu acho que esse foi o caso do Dilofossauro no primeiro filme, porque eu acho que foi descoberto mais recentemente que ele não podia cuspir veneno, não é mesmo? 

Phil: Sim, você sabe que há uma grande dose de liberdade criativa que foi tomada, há uma enorme quantidade desse fator. Quando Jack Horner nos ensinava muito das suas linhas de pensamento, e ele dizia: "você não pode fazer isso, você não pode fazer isso, não é isso que eles são", e, em seguida, nós íamos falar com ele, e ele dizia "sim, você pode fazer isso, sim, você pode fazer isso." 

No primeiro Jurassic Park fizemos essa coisa usando o stop-motion que chamamos de bíblia dos dinossauros, e usamos isso principalmente para a continuidade, uma vez que há um monte de cortes transversais entre os dinossauros feitos por computação gráfica e os dinos animatrônicos de Stan Winston. Nós tivemos que ser muito claros sobre o que estávamos fazendo editorialmente. Então, houve uma grande quantidade desse tipo de coisa que estava acontecendo.

Em um dos testes que eu fiz, eles estavam fazendo os dinossauros, o Tiranossauro, usando DNA de sapo para algum aspecto dele, e isso é o que os paleontólogos descobriram - se você não se mover, o Tiranossauro não vai vê-lo, e um sapo não vai fazer nada se a mosca não está se movendo, mas assim que a mosca se move a língua sai e a agarra. Então tentamos usar esse tipo de comportamento de referência mesclado com a engenharia genética, e assim, eu fiz um teste com um dos Raptors, dei-lhe uma língua como se fosse uma língua de lagarto que ia para fora para que ele sentisse o ar... e Jack Horner tirou isso, dizendo: "Não, eles nunca poderiam fazer isso! Isso é um lagarto, os dinossauros não são lagartos, eles são pássaros".

Jack: Jack Horner mencionou que veremos um novo dinossauro em Jurassic World, e, obviamente, eu sei que você não está autorizado a falar sobre isso, mas você está autorizado a dizer se haverá ou não novos dinossauros no filme? 

Phil: Não há novos dinossauros, eles estão todos velhos. 

Jack: Haha, eu quero dizer de novo para Jurassic Park, então!

Phil: ...Talvez. 

Jack: Um monte de fãs enviaram perguntas, e como era de se esperar, são perguntas que você provavelmente não pode responder: "Vocês estão autorizados a partilhar quaisquer detalhes, quanto às cores dos dinossauros?", "Nós estaremos vendo todos os veículos sendo destruídos por dinossauros no filme?", mas eu suponho que você não possa responder a isso, não é? 

Phil: Não, eu não posso. Sofri ameaças de morte para guardar estes segredos.

Jack: Haha, ok. Então, a equipe de produção está indo para Kauai, Hawaii em março para começar a filmar, e você obviamente vai estar no set, se juntando a eles? 

Phil: Eu não tenho certeza porque ainda não foi totalmente definido o que o meu trabalho é e quais as responsabilidades dos meus colegas de trabalho. Por isso, neste momento, estamos trabalhando em descobertas, ainda vendo o orçamento, que é sempre um processo contínuo em qualquer filme que você vai trabalhar. 

Jack: Você sabe se Jurassic World está confiando mais em VFX desta vez ou os animatrônicos lendários do falecido Stan Winston ainda sobrevivem?

Phil: Eu acho que vai ser muito mais computação gráfica e menos dinossauros no set.

Jack: Você prefere trabalhar com os animatrônicos ou, bem, eu acho que seu trabalho é mais o trabalho da ILM, não é? 

Phil: Sim, é ILM e Tippett Studio, que onde penduramos nosso chapéu. Isso realmente depende de o diretor e de que tipo de design você vai querer para gravar o filme e por isso é muito bom descobrir o que eles querem fazer e, novamente, há preocupações orçamentais. E há uma enorme vantagem em ter as coisas no set com as quais os atores podem realmente interagir. Especialmente, com as crianças no primeiro Jurassic Park. Eu acho que realmente ajudou a ter as coisas que eles poderiam realmente ver, mas as coisas mudaram muito em 20 anos, e a qualidade de representação fotográfica por computação gráfica ficou muito perto de uma coisa real que você vai fotografar e acho que parte do raciocínio para fazer as coisas mais no computador faz com que as coisas simplesmente possam ir um pouco mais rápido no set, e isso é uma grande consideração na concepção de um filme. 

Jack: Com tantos fãs do Jurassic Park original voltando, Jurassic World vai ter um retorno ao espírito do primeiro filme? 

Phil: Eu acredito que essa é a esperança. 

Jack: Tudo bem... ótimo! E, finalmente, você pode dizer uma coisa para fazer com que as pessoas fiquem ainda mais animadas com o filme? 

Phil: Vai ser fantástico! 

Jack: Brilhante! Muito obrigado por ceder seu tempo para fazer isso, foi realmente uma honra falar com você! 

Phil: Ok, não foi problema nenhum! 


Sobre essa entrevista, o sortudo entrevistador Jack (que também entrevistou Ty Simpkins no mês passado), disse:

Foi realmente uma honra falar com alguém que você apenas via durante um tempo muito longo. Desde que eu era uma criança, vendo Jurassic Park e os bastidores do VHS, eu admirava todos os que trabalharam no filme. Ele me inspirou a procurar uma carreira na indústria cinematográfica, e falar com Phil Tippett pelo Skype foi realmente incrível. Obrigado à Phil e à Tippett Studios por esta entrevista, e pelas grandes fotos dos bastidores!
Parabéns ao Jack e à toda equipe do JurassicWorld.org pela entrevista! Fiquem ligados lá e também aqui no blog para mais notícias, mais entrevistas [por favor, Jack!] e muito mais sobre o mundo de Jurassic Park! Curtam o Mundo Jurássico BR nFacebook, e sigam no Google+ e no Twitter! Sigam também no Twitter o Phil Tippett e o JurassicWorld.org!

Fonte: JurassicWorld.org
Compartilhar no Google Plus

Sobre os autores


Victor Nunes é o fundador da rede Mundo Jurássico BR. Com 18 anos de idade, reside em Guarulhos/SP, cursa Engenharia de Produção pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e é fã de Jurassic Park desde seus 8 anos, além de curtir outras produções de cinema e televisão da cultura pop. | Facebook | Twitter

Bruno Fernando é editor do Mundo Jurássico BR desde junho de 2015. Apaixonado pelo clássico de Spielberg desde criança, conheceu o romance original de Michael Crichton na adolescência e hoje, com 18 anos, se considera um fã de cultura pop e futuro jornalista.
    Comentários do Blogger
    Comentários do Facebook

0 comentários :

Postar um comentário