Opinião: Livro "Jurassic Park" traz posfácio que acusa obra de ser MACHISTA!

A Editora Aleph relançou o livro de Michael Crichton no último dia 11.

A Editora Aleph, responsável pelo relançamento do romance escrito por Crichton em 1990, convidou o crítico de cinema do Omelete, Marcelo Hessel, para escrever um posfácio na edição. Hessel já havia acusado o filme Jurassic World de ser machista em sua crítica no site, sendo esta, maciçamente critica e hostilizada pelos próprios fãs do Omelete, onde a crítica foi postada. Também no canal no YouTube do site, o filme foi acusado de machismo.

Mas até aí, tudo bem. Hessel escreve para um site, e pode escrever o que quiser na crítica, afinal, é a opinião dele, assim como os outros integrantes do site.

Entretanto, esta opinião foi inserida DENTRO do livro Jurassic Park, na edição da Aleph. Leia a seguir o trecho do posfácio escrito por Hessel:

Ou seja, o posfácio escrito dentro do livro, critica ele mesmo! Como é possível uma editora vender um livro que contém um posfácio que o critica?! Um fã comparou isso com cigarro; você compra, mas ele vem com um aviso que é ruim. A que ponto chegamos! Como a Aleph, que fez uma edição tão linda nesta publicação de uma obra tão respeitada de um autor tão renomado como Crichton, permite que essa opinião RIDÍCULA – na minha, e na opinião da gigantesca maioria dos fãs – seja impressa DENTRO DO PRÓPRIO LIVRO?!

Isso é um DESRESPEITO ao grande criador e idealizador de todo o universo Jurassic Park, Michael Crichton. Infelizmente, ele não está mais entre nós para se defender. Mas nós estamos aqui. Vários fãs – incluindo eu – expressaram sua insatisfação em relação à isso nos comentários da postagem onde a editora anunciou o posfácio, no Facebook. 

Um dia depois, hoje (20), a Aleph comentou as reclamações dos fãs:  
A Aleph tem um histórico de adicionar crítica a suas edições: textos autorais que contextualizam a obra e a comparam com filmes, quando é o caso. No 'Androides sonham com ovelhas elétricas?', por exemplo, temos o texto do jornalista Ronaldo Bressane, no ' O planeta dos macacos', o do estudioso Braulio Tavares e, agora, o posfácio do editor do Omelete, Marcelo Hessel. A escolha do Hessel foi feita justamente porque gostamos e admiramos seu trabalho.

Esses textos não se propõem a serem visões definitivas sobre as obras, mas parte de uma proposta de instigar a discussão além do conteúdo do próprio romance. A análise do Hessel não é única; cada um de nós tem sua perspectiva da obra, sua interpretação dos significados e das intenções do autor.

Tudo bem não concordar com o conteúdo e, admitimos, qualquer texto opinativo levanta concordâncias e discordâncias, mesmo entre nossa equipe, mas isso faz parte da beleza da coisa.

Ouvimos, sim, as críticas e vamos refletir aqui sobre os próximos textos.
Como o fã Henrique Zimmermann levantou em resposta à este comentário da Aleph, embora a iniciativa de trazer alguém para fazer uma análise do livro seja boa, a crítica feita pelo Hessel claramente não se baseia na obra como um todo. E isso fica claro devido aos erros presentes no restante do texto por ele escrito, onde o editor do Omelete descreve de forma errada algumas cenas. Ele insinua que a morte dos velociraptores representaria a "negação da feminilidade", quando na verdade, os animais em questão eram, tanto machos, quanto fêmeas. Além disso, ele descreve uma cena da língua do T-Rex encostando em Lex, quando na verdade, isso ocorre com seu irmão Tim. Só por esses fatores, já podemos concluir que Hessel leu – se é que leu mesmo – o livro com pouca ou nenhuma atenção, e sendo assim não tem a menor base para falar e muito menos fazer uma análise sensata da obra.

Portanto, se você é fã de Jurassic Park e de Crichton, e discorda do que Hessel disse, envie também sua reclamação à Editora Aleph, seja pelo Facebook, seja como for.

É uma pena que um relançamento tão lindo, como é esta edição, seja manchado dessa forma. Já que a Aleph, pelo jeito, não vai retirar o posfácio da edição, o jeito é nós o ignorarmos mesmo. Uma pena, já que há tantos outros escritores e jornalistas que seriam capazes de fazer uma análise sensata e REAL da obra, e não apenas ler o livro 'por cima', e falar sobre ele superficialmente.
Compartilhar no Google Plus

Sobre os autores


Victor Nunes é o fundador da rede Mundo Jurássico BR. Com 18 anos de idade, reside em Guarulhos/SP, cursa Engenharia de Produção pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e é fã de Jurassic Park desde seus 8 anos, além de curtir outras produções de cinema e televisão da cultura pop. | Facebook | Twitter

Bruno Fernando é editor do Mundo Jurássico BR desde junho de 2015. Apaixonado pelo clássico de Spielberg desde criança, conheceu o romance original de Michael Crichton na adolescência e hoje, com 18 anos, se considera um fã de cultura pop e futuro jornalista.
    Comentários do Disqus
    Comentários do Facebook

18 comentários :

  1. Leandro Martins M20 de junho de 2015 14:33

    Puro mimimi politicamente correto. Há cenas no filme em que a personagem de Bryce Dallas age com autoritarismo, não aceitando opinião de Owen como naquela cena na sala de controle em que ele avisa que os caras vão morrer e manda cancelarem a missão, aí Bryce Dallas corta o cara dizendo "Você não tem autoridade aqui". Essa cena seria feminista?

    ResponderExcluir
  2. Leandro Martins M20 de junho de 2015 14:52

    Hessel é um idiota, o que o machismo e o feminismo tem a ver com a qualidade de um filme? Na moral, o cara não tem nenhum critério objetivo muito menos conhecimento técnico pra analisar um filme e fica pagando uma de crítico. O Brasil é uma piada até nisso, qualquer jornalista quer cismar que é crítico de alguma coisa mesmo sem ter qualquer conhecimento sobre o assunto, querem falar de cinema sem entender de cinema, querem falar de música sem entender de música. Achismo não é acrítica, qualquer análise crítica sobre um assunto deve vir primeiramente carregada de conhecimento profundo. Qualquer um de nós podemos escrever o que achamos de um filme, porém, um site de crítica cinematográfica precisa ter críticos de verdade e não pessoas leigas falando bosta e misturando conceitos que não tem nada a ver. Se for pra postar achismo sobre filmes em um site de crítica, então até meu avô de 95 anos de idade pode ser crítico pois ele é mais lúcido e inteligente que imbecis como o tal de Hessel...

    ResponderExcluir
  3. Leandro Martins M20 de junho de 2015 15:12

    Vítor, concordo que é uma absurda falta de respeito. Eu recomendo que quem tiver interesse de comprar o livro, QUE BOICOTE TOTALMENTE ESSA editora de merda e comprem as versões de outras editoras ou compre o livro usado. Os sebos estão cheios dos livros de M.C.

    ResponderExcluir
  4. Leandro Martins M20 de junho de 2015 15:13

    "...qualquer texto opinativo
    levanta concordâncias e discordâncias, mesmo entre nossa equipe, mas
    isso faz parte da beleza da coisa." Atenção: TEXTO OPINATIVO NÃO É CRÍTICA!

    ResponderExcluir
  5. Reclamei na página de facebook da editora... realmente é um ABSURDO... parece que aquilo foi mais pelo lado pessoal dele e não na obra como um todo, caramba!!!

    ResponderExcluir
  6. QUANTA ESTUPIDEZ !!! ABAIXO O OMELETE ...( não por expressarem suas opiniões ) ...foi a única critica que eu vi no omelete nunca acompanhei o site só vi o video por que estava salivando por INFORMAÇÕES DO FILME coisa que não vi naquele video ( pois mesmo antes do absurdo VEREDITO que eles deram ao filme , já achava uma perda de tempo acompanhar um site que baseia suas opiniões em ACHISMO pois ninguem ali tem experiencia no meio cinematográfico e se eu quiser basear meu veredito sob um filme através da opinião de LEIGOS ...me viro para a poltrona ao lado no cinema e pergunto , ou fico na saída do cinema perguntando sob o filme ....pois opinião é como a B |_| N D @ todo mundo tem uma mais uma minoria tem a audácia e a vaidade de se julgar CRITICO a ponto de esfregar (postar no caso) porcarias a torto e a direito ! (*** se for machista então nem me fale sob os filmes de super-heróis onde na maioria das vezes as protagonistas são donzelas em apuros ou heroínas cheias de decotes e seminuas*** ) meu veredito é ...OMELETE VAI CAGAR !

    ResponderExcluir
  7. eu acho ate que ela ( claire) bryce dallas roubou o papel principal no filme ...foi uma personagem mais trabalhada e se desenvolveu no filme ( coisa que eu não dou muita importância ) chris pratt foi ótimo tbm mas deu a entender que ele ja estava ASSEGURADO talvez por ser o queridinho de hollywood no momento ...mas no geral SEM RECLAMAÇÕES ...q filme perfeito .

    ResponderExcluir
  8. hessel critique tbm o universo marvel , DC comics ...é uma briga que vc não vai querer comprar né seu idiota retrógrado !

    ResponderExcluir
  9. Verdade Leandro, eu pessoalmente como mulher não vi nada de machismo tanto no filme quanto nas obras de Crichton...A franquia Jurassic Park é conhecida por trazer uma personagem feminina muito forte tanto nos filmes quanto nas obras de Crichton, a Claire por exemplo é uma personagem principal e se destaca muito, na minha opinião ela se destacou mais que o Owen pelo seu desenvolvimento, de mulher "businesswoman" pra uma heroina. E você tem razão em citar essa cena, mostra que a Claire tinha um dos cargos mais altos em Jurassic World e era muito profissional, mostrando mais uma vez que a mulher não é fragil e não precisa desse vitimismo pra conseguir as coisas. Eu as vezes acho que esses críticos tanto quanto as feministas exageram muito. E eu não vi (perdão se eu estiver errada) os críticos do Omelete falarem sobre o filme dos Vingadores por exemplo que abordam temas muito mais polêmicos e sexistas do que qualquer filme/livro de Jurassic Park.

    ResponderExcluir
  10. Mais uma vez concordo com você, achei um ENORME desrespeito tanto ao autor quanto a sua obra assim como os fãs, um descaso completo colocar uma crítica totalmente ausente de qualquer argumento plausível, o que me faz pensar que o Hessel nem sequer leu a obra pra escrever aquilo.

    ResponderExcluir
  11. Leandro Martins M20 de junho de 2015 18:59

    Pois é, qualquer um de nós pode escrever sobre o que achamos de um filme e isso não nos torna críticos de cinema. O que acho lamentável são sites com seções destinadas a críticas cinematográficas com textos fracos e infantis sendo consideradas críticas. Esse tal de Hassel escreveu uma opinião bem parecida a respeito de Jurassic World, considerando o filme machista. Haviam vários defeitos para o cara citar como a má aplicação do 3D, o ritmo corrido das cenas que impediu o desenvolvimento de alguns personagens, o excesso de referências ao primeiro filme(se é que isso pode ser um defeito mas talvez seja) e ele vem com uma falácia nojenta dessa de machismo, que cretino burro, o tema do filme não é abordar guerra dos sexos. Algo parecido aconteceu com Mad Max, os caras(pseudo críticos) não
    tinham argumento pra criticar o filme e ficaram dizendo que era uma obra
    feminista, sendo que o filme foi excelente!

    ResponderExcluir
  12. Leandro Martins M20 de junho de 2015 19:00

    Algo parecido aconteceu com Mad Max Estrada da Fúria, os caras(pseudo críticos) não
    tinham argumento pra citar os pontos fracos do filme e ficaram dizendo que era uma obra
    feminista, sendo que o filme foi excelente!

    ResponderExcluir
  13. Esse Hessel é um otário. Ele e aquele site são um bando de comprados. Repetindo a frase do momento: "Ei Hessel, vai procurar uma r#l@"

    ResponderExcluir
  14. Gente, menos. Já li o livro umas cinco vezes nos últimos vinte anos, já li toda a obra do Michael Crichton, e embora eu não concorde com a opinião expressa nesse posfácio da nova edição, consigo entender de onde surge essa leitura, pois um dos pontos fracos do Crichton sempre foi o desenvolvimento de personagens femininas, que tende a ser repetitivo. Ele costuma repetir o mesmo padrão de mulheres adultas atléticas e/ou meninas irritantes (e meu deus, a Lex do livro é realmente insuportável). Claro que daí a dizer que é o livro é machista é um longo passo, e incluir logo esse texto no livro foi uma decisão estranha, mas sinceramente? Acho uma visão válida. Eu absolutamente adoro esse livro há vinte anos, e acho que até enriquece o olhar, como leitor e fã, ver uma opinião crítica sobre o livro.

    Já a edição lançada pela Aleph é simplesmente a MELHOR edição que o livro já teve no Brasil. O projeto gráfico é de primeira qualidade, a entrevista com o Crichton que vem junto é excelente também. Os detalhes de arte nas iterações é ótimo, e o resultado é quase tão bom quanto a Gift Edition autografada de 1992 (que eu tenho também, por sinal). O texto pode não ser o ideal? Com certeza não é. Mas essa edição é espetacular, e espero que faça sucesso o bastante para que lancem também o Mundo Perdido em algum momento.

    ResponderExcluir
  15. Fábio Gonçalves28 de junho de 2015 00:27

    Sinceramente eu não curti muito essa capa da editora Aleph, questão de gosto, mas eu prefiro a edição (embora seja de bolso) com a capa da LPM & Rocco, que é mais próximo da primeira edição da Hardcover COM o designer do Chip Kidd

    ResponderExcluir
  16. Fábio Gonçalves28 de junho de 2015 00:29

    Sinceramente eu não curti muito essa capa da editora Aleph, questão de gosto, mas eu prefiro a edição (embora seja de bolso) com a capa da LPM & Rocco, que é mais próximo da primeira edição da Hardcover COM o designer do Chip Kidd.

    ResponderExcluir
  17. Vitor Marcelo Da Rocha Firmo2 de julho de 2015 03:20

    desisti de compra por saber do texto do Hessel ,não acredito que incluíram um texto tão chato em um livro tão desejado!! poderiam incluir um texto de qualquer Paleontólogo Brasileiro que teria muito mais prestigio entre os fãs! infelizmente não sera agora que vou ler essa obra original que inspirou os filmes que tanto amo, vou aguardar um novo lançamento sem o texto do Marcelo Hessel , o melhor protesto é o boicote!

    ResponderExcluir